Aula inaugural marca início das atividades do Centro de Referência Paralímpico do Amazonas

31 de março de 2022

A Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade Federal do Amazonas (Feff/Ufam) inaugurou na tarde desta terça-feira, 29, o Centro de Referência Paralímpico do Amazonas (CRP-AM), com a realização da aula inaugural ministrada pela professora Kathya Augusta Thomé Lopes, no Ginásio Poliesportivo, Setor Sul do Campus Universitário.


O Centro que oferta quatro modalidades como Atletismo, Natação, Halterofilismo e Boccia para pessoas com deficiência física, visual e intelectual, demandará nos próximos anos mais atividades esportivas para esse público específico.


O reitor, professor Sylvio Puga, presidiu a solenidade de inauguração que contou com a participação do diretor da Feff, professor João Libardoni. Vale mencionar a participação dos representantes das Secretarias de Estado de Educação (Seduc-AM), Ralcilândia Carvalho de Oliveira; da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Hulda Soares; de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc-AM), Adalgiza Ferreira e da Fundação Amazonas de Alto Rendimento (FAAR), Sandro Viana, consolidando parcerias.


Em razão da aula inaugural a ser proferida, o reitor, professor Sylvio Puga, discursou com brevidade, saudando as autoridades e o público presente. Além disso, saudou também os representantes das instituições parceiras, que respaldado no lema do trabalho coletivo, disse que o avanço institucional se dá somente por meio das parcerias. Na ocasião, Sylvio Puga solicitou que os mesmos representantes levassem aos titulares das pastas das secretarias municipal e estadual, a gratidão pelo apoio ao Programa.


A chuva torrencial que caia naquele momento fez com que Sylvio Puga significasse de benções ao Programa de Atividades Motoras para Deficientes (Proamde) e o público presente. Com a união do “diretor da Feff, professores e parceiros faremos uma Ufam mais forte”, completou o reitor, professor Sylvio Puga.


Libardoni demonstrou muita felicidade pela presença dos parceiros representados no evento, que disse: "Vocês podem ter ser certeza que, a Universidade Federal do Amazonas, por meio da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia está de portas abertas aos parceiros, porque isso é responsabilidade social" e, mais adiante ressaltou que “A Universidade aliada ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), por intermédio do Centro de Referência Paralímpico do Amazonas, dará o suporte técnico-científico a todas as modalidades e o Centro está à disposição dentro desse processo”.


Aula inaugural

A professora Kathya Augusta Thomé Lopes ministrou a aula inaugural de inicio das atividades do CRP-AM. Kátia Lopes fez uma retrospectiva desde quando iniciou as atividades do Programa de Atividades Motoras para Deficientes (Proamde) até a consolidação do Centro. Ela destacou o objetivo do Proamde, o qual oportuniza o desenvolvimento das potencialidades remanescentes de pessoas com deficiência, por meio de atividades de Educação Física e Esportes gratuitos. Durante sua fala, cita a professora Minerva Amorim como uma das responsáveis pela condução e sucesso do Programa.


“Para nós não importa o que você não pode fazer. Importa o que você pode”, foi com essa lógica que a professora Kátia Thome acreditou nas pessoas com deficiência a desenvolver atividades motoras na Universidade. E, o desafio maior foi trazê-las e mostrá-las seu potencial, diferente do que muitos pensam de acredita que elas não têm. “É por meio da atividade motora que a gente descobri”, disse.


No transcorre da aula inaugural, a professora disse que com a inauguração do CRP-AM se tem uma nova etapa, no âmbito do esporte, pois, com isso trará o desenvolvimento desse segmento esportivo. De acordo com ela, nem todos podemos ser um grande atleta, mas se tiver uma oportunidade de fazê-lo, pode sê-lo. “Então, o Centro de Referência Paralímpico pode dar oportunidade as pessoas, que por ventura, passaram pelo Proamde, ou por outros programas”, relatou.


Opinião

Desde 2015, Vitor Afonso da Silva, 24, atleta paralímpico na modalidade de Halterofilismo do CRP-AM, desenvolve atividades esportivas. Com epifisiólise¹, acredita que a partir da freqüência regular no Centro, terá um acompanhamento de excelência com práticas em espaços adequados e estudos acadêmicos voltados aos atletas paralímpicos. “O planejamento científico é o que mais interessa, pois tenho curiosidade sobre a questão do limite no atleta”.