Barco é opção mais barata para ir ao Festival de Parintins

23 de junho de 2022


Os valores das passagens de barco ou lanchas variam entre R$ 200 a R$ 450. Já os voos são em torno de R$ 4,9 mil. Ainda há vaga tanto no aéreo quanto no hidroviário saindo de Manaus


Lívia Viana

(Especial para o BN)

A viagem de barco ou de lancha, além de mais em conta, proporciona apreciar a paisagem amazônida

Manaus (AM) - Após dois anos suspenso devido a pandemia do coronavírus, o Festival Folclórico de Parintins está de volta e tem agitado a mercado turístico, principalmente no transporte hidroviário intermunicipal de passageiros.


Quem pretende garantir uma passagem para se deslocar até Parintins, que fica a 365 quilômetros de distância de Manaus, em linha reta, precisa apressar os passos, pois a disputa está cada vez mais acirrada. Algumas embarcações, por exemplo, já encerraram as vendas, mas há ainda algumas possibilidades para o amante do ‘dois pra lá e dois prá cá’ aproveitar a maior manifestação cultural do país.


Preço da passagem

Para chegar à ilha Tupinambarana, os viajantes precisam desembolsar entre R$ 200,00 e R$ 450,00 para irem de barco ou lanchas, já aqueles que desejarem uma viagem mais rápida, os voos podem ser uma opção, desde que o passageiro esteja disposto a pagar cerca de R$ 4.994,00.


A gerente de agência de passagens fluviais, Débora Pantoja, afirma que “a procura está 100%. Os barcos estão sendo bastante procurados e ainda temos algumas vagas”, afirmou Pantoja. Segundo os itinerários das embarcações, a saída do último barco com destino à ilha da magia, antes do festival, estava prevista para às 5h00 da manhã desta quinta-feira (23).


Caroline Rhodis, intérprete de Libras, torcedora apaixonada do boi Garantido, não nasceu na Ilha, mas tem o coração, a alma e familiares parintinense. "Estou indo com amigos no barco da Batucada. Queria muito ter nascido lá, porque eu amo Parintins. Quando me perguntam, digo que nasci em Manaus, mas sou parintinense, a verdadeira, a verdadeira alma ameríndia. Quero tatuar no braço: Alma ameríndia", se declara.

Carol Rhodis, torcedora do Garantido, está se preparando para curtir de todas as formas possíveis o festival em Parintins deste ano.

Rhodis conta que disse para si mesma que iria acompanhar essa temporada bovina desde o primeiro evento. “E foi isso que fiz. Fui no lançamento do tema lá em Parintins, em novembro de 2021, depois o lançamento do tema aqui em Manaus, uma semana após. E não deixei de ir em todos os eventos do boi. A emoção que eu sinto em cada evento bovino é surreal.


Garantido não é um boi para torcer. O Garantido é um estilo de vida. O Garantido é Vida, como foi o tema de 2015”, garante.