Centro de proteção atendeu mais de 5,7 mil idosos em situação de vulnerabilidade no Amazonas

22 da abril de 2022

Mais de 5,7 mil idosos em situação de vulnerabilidade ou risco social foram atendidos pelo Centro Integrado de Proteção da Pessoa Idosa (Cipdi), do Governo do Amazonas. Nos últimos três anos, foram recebidos por dia, em média, cinco casos de pessoas da terceira idade que enfrentaram algum tipo de violência.


O espaço de referência recepciona denúncias, garante apoio psicossocial e presta assistência às vítimas de violência na terceira idade. O Cipdi é administrado pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) e integra a Rede de Proteção à Pessoa Idosa do Amazonas. Dos atendimentos realizados nos últimos três anos, 3,4 mil foram idosos do sexo feminino e 2,3 mil do sexo masculino.


Os atendimentos mais frequentes estão na faixa etária entre 60 a 80 anos. O Cipdi presta o suporte psicossocial, recebe denúncias, faz encaminhamentos para a rede de proteção, além de realizar visitas domiciliares e proporcionar mecanismos de prevenção a violações de direitos.


A unidade atua de forma integrada com a Delegacia Especializada em Crime Contra o Idoso (Decci), da Polícia Civil, auxiliando nos laudos elaborados que são primordiais para embasar alguns processos da especializada.


A equipe técnica do Cipdi também realiza visitas domiciliares em conjunto com a Decci, por meio de solicitação de demandas do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE), Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), entre outros órgãos da Rede de Proteção.


De janeiro a março deste ano, já foram realizados 395 novos atendimentos. A maior parte são idosos da faixa etária de 60 a 80 anos.


De acordo com a secretária executiva adjunta de Direitos da Pessoa Idosa, Luciana Andrade, os últimos três anos foram de avanços nas medidas necessárias para o combate à violência contra a pessoa idosa.


“Nos últimos anos estamos trabalhando em uma atuação mais ampla, que vai desde os trabalhos psicossociais, até o fomento de atividades de empreendedorismo. Embora o número de violência tenha tido um acréscimo, sabemos que podemos avançar muito adotando as medidas necessárias para proteger os nossos idosos”, enfatizou a secretária.


Além das visitas e atendimentos psicossociais, a Sejusc também realiza doações aos órg