Circulação da variante Ômicron aumenta média móvel de casos de Covid-19 no Amazonas

15 de janeiro de 2022

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), registrou aumento expressivo na média móvel de casos de Covid-19, com alta de 1.007% no Amazonas. O maior crescimento foi identificado em Manaus, com 2.493%. O interior do Estado teve elevação de 211% na média móvel de casos. Os dados são referentes ao período de 1º a 13 de janeiro.


O Estado saiu de uma média de 105 casos registrados por dia, em 1º de janeiro, para 952 casos no dia 13 deste mês. Os dados foram apresentados pela SES-AM, por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), durante reunião do Comitê Intersetorial de Enfrentamento da Covid-19 realizada nesta sexta-feira (14/01).


O Secretário de Estado de Saúde, Anoar Samad, reforça que o avanço da média móvel de casos está associado à virulência da variante Ômicron. Enquanto a taxa de transmissibilidade do novo coronavírus, com a predominância da variante Gama (P.1), é de 1.01, ou seja, uma pessoa pode transmitir o vírus para outras 101 pessoas, um infectado pela Ômicron tem capacidade de contaminar mais de 200 pessoas.


“Já prevíamos um aumento exponencial de casos, mas não tão grande. A variante Ômicron tem uma transmissibilidade muito elevada e provoca uma quantidade bem menor de quadros graves, mas é diferente de não provocar quadros graves”, afirmou o secretário e médico Anoar Samad.


O Estado permanece com 22 casos confirmados da variante Ômicron, todos os pacientes apresentaram sintomas leves e não precisaram de hospitalização. Segundo a FVS-AM, mais 600 amostras foram enviadas ao laboratório do Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz Amazônia), para sequenciamento genético.


Ocupação de leitos - Os leitos clínicos ocupados na rede pública para pacientes com Covid-19 apresentaram variação de 391%, saltando de 22 leitos ocupados no dia 3 de dezembro, para 108 na quinta-feira (13/01). Na rede privada, a variação da taxa de ocupação dos leitos clínicos foi de 89%, passando de sete para 17 internações.


Já os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para Covid-19 apresentaram variação de 119%, saltando de 16 para 35 leitos ocupados.


A SES-AM está continuamente monitorando a taxa de ocupação dos leitos nas unidades da rede pública e possui estratégias, dentro do Plano de Contingência Estadual de Combate à Covid-19, para ampliar o número de leitos na rede estadual, como no Hospital Delphina Aziz, no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) e o Hospital de Combate à Covid Nilton Lins.


Óbitos - A SES-AM esclarece que, apesar do avanço das contaminações, a variação no número de óbitos pela Covid-19 não acompanhou a mesma proporção.