Comitê de enfretamento a Covid-19 no Amazonas define novas medida para eventos no Estado

16 de fevereiro de 2022 Novo decreto permite o fincionamento do local com 50% de sua capacidade, limitando-se a 1.000 pessoas a cada evento

Comitê, reunido ontem, definiu que só serão permitidos eventos com até 50% da capacidade do local


Manaus (AM) - Com a redução dos casos de contaminação pelo vírus da Covid-19 e síndromes gripais no Amazonas, o Comitê de Enfretamento a Covid-19 do Estado, reuniu nessa terça-feira (15) e novas medidas foram tomadas para eventos sociais e pagos. As mudanças definidas serão publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) e começarão a valer após a publicação do novo decreto. A data ainda não foi informada.


Na reunião foi definido que ao sair a publicação do novo decreto, estará permitido o funcionamento de eventos com até 50% da capacidade do local, limitado a mil pessoas em cada evento. Ainda está incluso o funcionamento de locais com cobranças de ingressos como casas noturnas, salões de baile e similares.


Ressalta o novo decreto que na entrada dos eventos ainda será obrigatório o uso da máscara e a comprovação do ciclo vacinal completo, tanto de cliente quanto das equipes de colaboradores dos espaços.


Situação epidemiológica no Estado

Nessa terça-feira (15), o boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemery Costa Pinto (FVS-RCP), informou 1. 722 novos casos da doença, totalizando 564.706 no Estado.

Conforme o boletim foram confirmados 6 óbitos, ocorridos na segunda-feira (14).


Em Manaus há 198 pacientes internados, sendo 105 em leitos clínicos; 14 pacientes na rede privada e 91 na rede pública de saúde. Já na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), estão internados 16 pacientes na rede privada e 76 na rede pública; apenas um paciente está em sala vermelha.


Na rede pública do interior do Estado, conforme aponta o boletim, consta que há 53 pacientes internados com a covid-19. Desses 53 apenas uma pessoa está em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e os restantes em leitos clínicos.


Texto e Foto: Divulgação