Governador anuncia que vacinação contra Covid-19 em crianças no Amazonas será por grupos prioritário

7 de janeiro de 2022

Imunização vai começar assim que Ministério da Saúde disponibilizar doses


A vacinação contra Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos no Amazonas será escalonada por grupos prioritários definidos pelo Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde (PNI/MS), anunciou o governador Wilson Lima.


A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) receberam hoje (06/01) o informe técnico do MS sobre esta etapa.


“Assim que as vacinas para este grupo chegarem ao Amazonas, vamos iniciar a aplicação do imunizante em nossos pequenos. Não deixem de se vacinar. Temos vacinas para todos. A vacina é a arma mais poderosa contra a Covid-19”, disse o governador Wilson Lima.


O imunizante a ser usado é o da Pfizer (Comirnaty – Pfizer/Wyeth), específica para crianças, com rótulo de cor laranja. A composição destinada para o público infantil teve segurança e eficácia atestadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O intervalo entre a primeira e segunda dose será de oito semanas. O MS ainda não divulgou previsão de envio de doses desse tipo de imunizante para o Amazonas.


Não há exigência de apresentar prescrição médica para a vacinação no estado, mas os pais ou responsáveis pela criança devem estar presentes manifestando concordância com a imunização. O escalonamento para a vacinação contempla, inicialmente, crianças com deficiência permanente ou com comorbidades.


O cronograma segue com indígenas e quilombolas; crianças que vivem em lar com pessoas com risco para evolução grave de Covid-19. Após esses públicos, a vacinação vai estar disponível para as crianças sem comorbidades na seguinte ordem: crianças entre 10 e 11 anos; entre 8 e 9 anos; 6 e 7 anos; e com 5 anos de idade.


A diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, destaca que a vacinação contra crianças foi planejada para atender ao público pediátrico que, apesar de não ser o que mais agrava quando infectado, ainda se configura como vulnerável para internações e óbitos por Covid-19.


“Será usada a Pfizer, que é o imunizante com segurança e eficácia atestado pela Anvisa. A vacinação não é obrigatória, mas é um ato de amor. Muitas pessoas perderam crianças para a Covid-19 desde o início da pandemia, e a vacinação objetiva a redução de óbitos e de internação pela infecção”, destaca Tatyana.