Literatura infantil auxilia crianças a lidar com temas difíceis

28 de fevereiro de 2022

Coleções abordam temas como luto, divórcio e câncer infantojuvenil

Abordar assuntos delicados como morte, divórcio e doenças com as crianças não é tarefa fácil. Até para quem é adulto, lidar com estas questões exige equilíbrio emocional. Mas, com as crianças, abordar de forma lúdica, por meio de livros, pode ser o caminho para iniciar o assunto de forma mais compreensível e humanizada.


Os livros podem ajudar famílias e educadores a lidar com momentos de transição importantes para as crianças como a hora de deixar as fraldas, de dizer adeus para a chupeta, ou ainda de lidar com a morte de um parente ou de um animal de estimação.


Fernando Vernilo trabalhou durante dez anos como Relações Públicas e, quando se tornou mãe, sentiu falta de livros que abordassem temas como desmame e o desfralde, por exemplo. Assim nasceu o projeto da coleção de livros Conto com Você.


“Saí do meu trabalho para um [ano] sabático improvisado, depois do nascimento do meu primeiro filho, e estava procurando uma oportunidade de empreender. A ideia do livro surgiu quando comecei a estudar sobre como fazer nosso desmame e descobri que o lúdico da história ajudaria demais na comunicação. Livros assim não existiam no Brasil e, como sou formada em comunicação, acredito demais na importância da clareza do que é dito para o sucesso do processo. Assim nasceram o Mamar quando o Sol Raiar e Tchau, Tetê, os primeiros livros para apoio na condução de desmame do Brasil”.


Os livros da coleção também abordam sentimentos como o ciúme de uma irmã que nasceu ou a tristeza com a separação dos pais. Fernanda conta que, além de ajudar a passar por estes desafios com leveza, os livros da coleção colocam as crianças como protagonistas do processo com autonomia e respeito.


“O objetivo da Coleção é publicar livros sobre diversas temáticas da infância para ajudar no diálogo entre gerações, com muito acolhimento, verdade e respeito”.


Mamar quando o Sol Raiar e Tchau, Tetê foram os dois primeiros títulos da editora, escritos por Fernanda. De 2018 até hoje, a editora já publicou mais de 25 outros títulos de diferentes autoras, todos seguindo a mesma proposta narrativa, como Dino Davissauro, para controle de raiva, e Pode Parar, para prevenção de abuso sexual.


Paz e respeito


Diante do cenário que o mundo assiste de uma guerra entre a Rússia e a Ucrâcia, no Leste Europeu, um livro pode esclarecer para as crianças a importância da paz e da união entre os países, mas principalmente entre as pessoas.

O livro Paz de Laboratório levou dois anos de pesquisa com crianças e adultos, que relataram o que sabem sobre a paz e o que gostariam de ter aprendido na infância. A obra trabalha valores como respeito, amor, amizade, empatia, liberdade e união. A autora Izabel Stresser Araujo relata que o projeto do livro iniciou quando o pai dela morreu.

“Quando meu pai faleceu, eu tive um momento muito difícil, em que eu não conseguia encontrar a paz e isso me levou a refletir que pouco sabemos sobre ela, do que ela é feita, o que podemos fazer para nos sentir em paz. Mergulhei em um projeto de dois anos para escrever o livro. Pensei muito na minha filha, sobre reflexões e conversas que gostaria de ter com ela”.

Porém, conta Renata, a inspiração para o enredo veio anos antes da morte do pai. “O engraçado é que cinco anos antes eu sonhei com a história de um livro em que crianças ouviram que a paz estava desaparecendo e resolveram fabricá-la em laboratório para ajudar o mundo todo. Para isso, elas precisavam descobrir do que a paz é feita.

"Resolvi colocar esse sonho em prática e perguntei a mais de 200 pessoas o que elas gostariam de ter aprendido sobre a paz na infância. Daí, saíram sete ingredientes: amor, empatia, liberdade, coragem, respeito, amizade e união, que são abordados de uma forma lúdica, como se fosse uma aventura na busca dos ingredientes”.

O que ela aprendeu ao escrever Paz de Laboratório, é o que espera que as crianças absorvam com a leitura. “Aprendi que somos ensinados a camuflar nossos sentimentos e achamos que a paz é a ausência de conflito. Na paz, aprendemos a lidar com conflitos, que sempre irão existir. Por acharmos que paz é não discordar, abrimos mão de nós mesmos e dos nossos sentimentos em troca de uma falsa paz. Precisamos, urgentemente, educar sobre a paz, mais do que educamos para a competição”, defende a autora.